Oclusão e DTM

Historicamente a oclusão dentária (forma como os dentes se encaixam) tem sido responsabilizada pelo aparecimento das DTM. Por décadas, tratamentos que tinham por objetivo a correção da mordida, como ajustes oclusais e ortodontia, foram utilizados para tratar DTM. Porém, na medida que pesquisas atuais foram surgindo, o papel da oclusão como causa das DTM perdeu força.

Atualmente, os problemas de mordida não podem mais ser considerados o foco principal do tratamento das DTM. Os fatores psico-comportamentais como comportamentos bucais inadequados, a ansiedade, estresse e depressão são considerados os principais fatores etiológicos da DTM. Pessoas expostas a fatores apresentam mais risco de desenvolver DTM.

As correções oclusais só deveriam ter início quando os sintomas de DTM estivessem controlados.

Por esse motivo, o mais importante é que o profissional esteja ciente desses fatores e realize o manejo das DTM baseado nas evidências científicas atuais sobre o entendimento da doença. A Bonotto Odontologia conta com especialistas para realização do diagnóstico e tratamento adequados da DTM.

O objetivo deste aparelho é estabilizar e melhorar a função do sistema mastigatório, diminuir a atividade muscular anormal e proteger os dentes da atuação de cargas traumáticas adversas provenientes de hábitos parafuncionais.

Sua indicação de uso é durante o período noturno, pois se o paciente utilizar a placa o dia todo, pode causar alterações oclusais permanentes como o caso de mordidas abertas anteriores.

Agende sua consulta.

 

REFERÊNCIAS

  1. Sartoretto SC, Bello YD, Bona AD. Evidências científicas para o diagnóstico e tratamento da DTM e a relação com a oclusão e a ortodontia. RFO. 2012;17(3):352-9.
  2. McNamara JA, Seligman DA, Okesson JP. Occlusion, orthodontic treatment, and temporomandibular disorders: A review. J Orofacial Pain. 1995;9(1):73-89.
  3. Você está usando placa o dia inteiro? Cuidado
  4. Conti PCR. Oclusão e disfunção temporomandibular: conceitos atuais para conduta clínica. Livro do Conti. 2004.

Deixe um comentário

Inscreva-se em nossa newsletter e receba dicas e informações sobre os nossos tratamentos!